Estroboscopia: como o exame pode ajudar profissionais que trabalham com a voz


Qualquer alteração de voz, nem que seja leve, pode ser tornar um grande transtorno para profissionais que precisam usar a voz para realizar seu ofício. Para a população em geral, ficar rouco, por exemplo, pode não trazer tantas consequências no dia a dia, agora imagine essa situação para um ator ou professor?


Por isso que, para esses profissionais, se torna tão importante a consulta preventiva com o otorrinolaringologista e, se necessário, a realização do exame de estroboscopia — uma tecnologia para avaliar em detalhes as estruturas da laringe, identificando assim distúrbios da voz e alterações anatômicas e funcionais das cordas vocais.


Quer entender mais sobre esse procedimento? Acompanhe este artigo e conheça os detalhes desse exame. Descubra também como a voz é produzida, os profissionais que a utilizam como instrumento de trabalho e os principais cuidados com a saúde vocal.


Como a voz é produzida?


A voz é a protagonista quando o assunto é comunicação. Utilizá-la é algo tão natural no dia a dia que nem paramos para pensar como ela é produzida. Acabamos lembrando que algo não vai bem em poucas situações, como quando ficamos roucos após falar demais ou durante um forte resfriado.


Mas você sabe como ocorre todo esse processo? Tudo começa com o ar que sai dos pulmões e provoca a vibração das pregas ou cordas vocais e, com a ajuda do “alto-falante” formado por faringe, boca e nariz, é emitido o som.


Cuidar da voz


Desse modo, é importante que todas essas estruturas estejam nas melhores condições para que a voz seja emitida normalmente. Contudo, poucas pessoas se atentam para o fato de que devem cuidar da voz para evitar qualquer tipo de alteração nas cordas vocais. Você sabia, por exemplo, que é importante manter-se hidratado, ou seja, beber muita água ao longo do dia para que sua voz não seja prejudicada?


Agora, imagine quem faz uso intenso da voz no dia a dia, como professores e cantores? Para essas pessoas, o risco de ter algum problema nas pregas vocais se torna maior ainda. 


Quem são os profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho?


Quando a gente pensa na função da voz, lembramos imediatamente da fala e dos processos de comunicação, certo? Com ela, conseguimos conversar, cantar, gritar, ou seja, é um meio de argumentar, expor nossos pensamentos e até mesmo de expressar sentimentos.


No entanto, a voz pode ter um valor maior ainda para alguns profissionais, que a utilizam como um instrumento de trabalho. Quer saber quem são eles? Confira a seguir!


Cantores


Talvez o primeiro trabalho que venha à mente que faça uso da voz seja o do cantor. Sem ela, esse profissional simplesmente não consegue mostrar o seu trabalho.


Dessa forma, já é uma prática comum de cantores cuidar da voz: prepará-la e aquecê-la para que consigam cumprir a agenda de shows e gravações sem preocupação.


Atores


Quem também deve se preocupar em cuidar das pregas vocais são os atores profissionais, afinal é com a voz que eles se expressam e mostram seu talento.


Como se vê, o ambiente artístico está repleto de pessoas que dependem da voz para executar seu ofício e, por isso, acabam sendo mais conscientes sobre os cuidados com respiração, alimentação etc. para a boa saúde vocal.


Professores

Dar aula, mesmo que seja para uma turma pequena, exige muito das cordas vocais. Assim, o professor precisa ser bastante atencioso com o uso da voz para que consiga cumprir toda a sua rotina de trabalho.


Seja uma turma de crianças, jovens ou adultos, o professor precisa modificar a entonação para ganhar a atenção dos alunos ou até mesmo chamar a atenção, principalmente no caso dos pequenos. Para conseguir dar uma aula, por exemplo, ele não pode usar um tom monótono porque pode deixar todo mundo com sono. 


São vários desafios que esse profissional tem que fazer para sua voz se sobressair a outras vozes, principalmente ao falar em lugares abertos, no caso dos professores de educação física ou, em ambientes fechados, em que é obrigado a conviver com o ar-condicionado.


Não é uma batalha fácil! E, na graduação, não há nenhuma disciplina que ensine o professor a como cuidar da saúde vocal.


Palestrantes


Há profissionais que têm como trabalho principal fazer palestras. Desse modo, usam a voz da mesma forma que professores, muitas vezes, para plateias numerosas. 


Jornalistas


A função do jornalismo é fazer a transmissão de fatos seja por meio escrito, radiofônico, televisivo ou digital. Assim, profissionais da televisão, rádio ou que produzem vídeos para a internet também utilizam a voz como ferramenta de seu ofício. Sem ela, não conseguiriam narrar uma notícia, fazer uma entrevista ou transmitir a informação.


Youtubers


A internet abriu um novo canal e muita gente, que começou a fazer vídeos por hobby, passaram a usar o Youtube de forma profissional. Dessa maneira, para produzir esse tipo de trabalho sem contratempos, os youtubers também precisam fazer o bom uso da voz.


Vendedores


Talvez essa classe profissional seja a que menos se preocupe com a voz. Entretanto, muitos vendedores de rua e feirantes, por exemplo, atraem a atenção de clientes anunciando em alto e bom som uma oferta.

Após um dia de trabalho, fazem um esforço grande com as pregas vocais e respiração e isso pode trazer sérias consequências para a saúde e qualidade de vida.


Atendentes de telemarketing


Esses profissionais passam o dia ao telefone e não é para bater papo! Fazem, portanto, um uso intenso da voz e devem se preocupar em cuidar da saúde das cordas vocais.


Outros


Outras ocupações que fazem uso da voz são: locutores, narradores, treinadores, advogados, leiloeiros, padres e pastores.


Quais são os principais cuidados que devem ser tomados com as cordas vocais?


As cordas vocais ou pregas vocais são estruturas musculares localizadas na laringe e permitem que os seres humanos consigam emitir sons. Por isso, é importante que elas estejam nas melhores condições, principalmente para os profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho.


Imagine um professor ter que forçar a entonação em várias aulas e, no dia seguinte, estar com a voz rouca e não conseguir trabalhar? Para evitar esses transtornos, que podem ser bastante prejudiciais ao organismo, ter o hábito de cuidar das cordas vocais e, assim, manter a saúde vocal em dia, é fundamental. 


Mas como fazer isso? Em primeiro lugar, é importante realizar consultas preventivas com o médico otorrinolaringologista (profissional que trata de nariz, ouvido e garganta) duas vezes ao ano para que ele conheça seu histórico de saúde, faça os exames necessários — como a estroboscopia — e, assim, passe as orientações. 


Cuidados com a saúde vocal


No dia a dia, é possível adotar alguns cuidados. Independentemente do tipo de trabalho que faça uso da voz, existem algumas recomendações gerais, como:

  • preocupar-se com a hidratação, tomando pelo menos dois litros de água ao longo do dia. Ter sempre uma garrafa de água à mão ajuda bastante;

  • no trabalho, procurar se policiar para não forçar a voz por um longo período;

  • não gritar;

  • não falar em locais com muitos ruídos;

  • fazer exercícios para aquecer a voz antes do trabalho;

  • evitar falar por um longo período, principalmente ao telefone;

  • ficar longe de álcool e cigarro. O fumo pode causar problemas gravíssimos à laringe, inclusive o câncer;

  • incluir frutas no cardápio;

  • evitar alimentos pesados (gordurosos e mais condimentados) ou que predisponham ao refluxo gastrointestinal, porque a doença pode prejudicar as cordas vocais;

  • não consumir alimentos e bebidas muito quentes ou gelados;

  • evitar alimentos derivados de leite, que podem contribuir para o aumento da secreção na garganta;

  • evitar usar a voz em situações de alergias, resfriados, gripes ou problemas respiratórios;

  • ao falar, tentar articular corretamente todas as palavras. Uma dica é abrir bem a boca para amplificar o som;

  • fazer uso de microfone para locais amplos e plateia numerosa;

  • ao se exercitar ou carregar peso, evitar fazer o uso da voz;

  • evitar locais com poluição e poeira;

  • procurar reduzir o tempo em ambientes com ar-condicionado;

  • tomar cuidado com mudanças bruscas de temperatura;

  • escolher roupas confortáveis, que não apertem o pescoço e abdômen. Isso vale também para acessórios femininos;

  • reconhecer os sintomas de esforço das cordas vocais e reduzir o ritmo, se possível. Caso o sintoma persista, não hesite em procurar ajuda médica. Nunca tome medicamentos por conta própria;

  • após um longo dia de trabalho utilizando a voz, priorize o repouso.


Como é possível observar, são mudanças de hábito, principalmente com a alimentação e condições do ambiente, que vão preservar as cordas vocais e evitar qualquer intercorrência que impeça o uso da voz no dia a dia profissional.


Quais são os problemas que mais comumente acometem tais profissionais?


Os profissionais que precisam da voz para trabalhar podem sofrer do chamado “abuso de voz”, que começa com alterações funcionais, mas que, sem o tratamento adequado, pode evoluir para casos mais sérios, como alterações orgânicas e demandar uma intervenção cirúrgica.


O sintoma mais comum e que já demanda atenção é a rouquidão persistente. Outros sinais que merecem ser investigados são:

  • tosse crônica;

  • pigarro;

  • dor ao falar;

  • dor ao engolir;

  • sensação de cansaço ao falar;

  • sensação de “bolo” na garganta;

  • sensação de garganta seca.


É preciso estar atento a esses sintomas, principalmente quando eles são persistentes e não estão associados a nenhum resfriado ou quadro alérgico, por exemplo. Isso porque pode ser indício de alguma alteração mais séria.


Acompanhe a seguir alguns distúrbios e doenças nas cordas vocais que podem estar relacionados ao trabalho:


Calos


Os calos ou nódulos nas cordas vocais são causados por uma irritação contínua dessas estruturas. Caracteriza-se por uma lesão benigna e decorre do uso incorreto da voz.


Os sintomas são perda da voz, rouquidão, irritação da garganta, tosse seca persistente, diminuição do volume da voz, entre outros. Se esses sinais persistem, é imprescindível passar por uma avaliação com o otorrinolaringologista.


O diagnóstico é feito com exames, como a estroboscopia, que analisa em que fase estão essas lesões.


O tratamento se faz com exercícios nas pregas vocais, que podem ser orientados por um fonoaudiólogo e descanso da voz. Se esse nódulo fica muito rígido ou é de grande proporção, a recomendação é fazer uma cirurgia.


Pólipos


Os pólipos são lesões com sangue nas cordas vocais e decorrentes do mau uso da voz, como esforço ao falar, sussurrar, falar muito alto, pigarrear etc. Quadros alérgicos, de refluxo gastroesofágico e tabagismo também podem causar esse tipo de lesão.


A rouquidão é um dos principais sintomas, por isso se a voz rouca persistir por muitos dias, é importante procurar ajuda médica. 


O médico faz o exame clínico e pode solicitar biópsia para saber se o pólipo se trata ou não de um tumor. O tratamento é feito com corticoides ou cirurgia.


Cistos


Trata-se de uma alteração anatômica nas pregas vocais. Os cistos são tumores benignos e são como bolsas de líquido. Surgem por conta do atrito forte entre as cordas vocais durante a produção dos sons, principalmente quando se faz o uso incorreto da voz.


Pode provocar rouquidão, dor no pescoço ou garganta, pigarro e cansaço ao falar. É importante procurar o médico se esses sintomas durarem por muitos dias. O tratamento pode ser feito com terapia fonoaudiológica e, no caso de cistos grandes, o indicado é fazer uma cirurgia.


Paralisia


Voz rouca e entrecortada e dificuldade na respiração podem ser indícios de paralisia, que pode acometer uma ou as duas cordas vocais. É um problema mais grave, pois pode afetar não só a voz, mas também a respiração e deglutição.


É caracterizada pela incapacidade em fazer os movimentos dos músculos que fazem o controle das pregas vocais. A paralisia pode ser causada por lesões cerebrais ou no nervo da laringe após alguma cirurgia, como de retirada da tireoide ou operação cardíaca. O tratamento é cirúrgico.


Edema de Reinke


É caracterizado por um inchaço nas cordas vocais, o que deixa a voz rouca e grave. Há um acúmulo de líquido na região, fazendo com que a corda vocal tenha um aumento da espessura.


Acomete profissionais que fazem uso intensivo da voz e, principalmente, fumantes. Pode ter relação também com casos de hipotireoidismo e refluxo gastroesofágico. Além da rouquidão e voz grossa, pode ter outros sintomas, como: pigarro, dificuldade para falar alto e falhas na voz.


Ao apresentar esses sinais, o otorrinolaringologista deve ser procurado. Ele fará exames e o tratamento indicado é a eliminação da causa do problema, como o fumo e abusos vocais. A terapia fonoaudiológica pode ser recomendada. Em estágios mais avançados, o Edema de Reinke deve ser tratado com cirurgia.


Úlceras de contato ou granulomas


São lesões nas membranas que envolvem as cartilagens das cordas vocais. São como feridas e decorrem do abuso de voz, refluxo gastroesofágico, trauma na laringe após intubação prolongada e tosse crônica. Os sintomas são: voz rouca, sensação de “bolo” na garganta, dor e tosse frequente.



O diagnóstico é feito pelo otorrinolaringologista e, se necessário, ele solicita uma biópsia, para se certificar de que as lesões não são malignas.


O tratamento inclui descanso da voz e bom uso dela, fonoterapias e até uso de antibióticos para prevenir a infecção por bactérias enquanto as cordas vocais cicatrizam. Para os casos de refluxo, é importante tomar antiácidos, evitar alguns alimentos e procurar não comer próximo da hora de dormir.


Laringite crônica


Trata-se da inflamação persistente da laringe e pode ser causada pelo mau uso da voz ou agentes irritantes, como poeira, poluição, cigarro e álcool. Os indícios da doença são alterações na voz, rouquidão, dor de garganta, tosse, aumento de secreção, além de dificuldade de respiração e deglutição.


O tratamento consiste em eliminar os agentes causadores da irritação, bem como evitar o abuso da voz. Nesse caso, a fonoterapia pode ser de grande ajuda.


O que é o exame de estroboscopia e como ele funciona?


Para investigar alterações nas pregas vocais e possíveis doenças, os profissionais da voz podem fazer o exame de estroboscopia laríngea, também conhecido como videolaringoestroboscopia ou videoestroboscopia da laringe.


Por meio desse exame, o otorrinolaringologista consegue visualizar as cordas vocais, bem como seu funcionamento. Utiliza-se para isso um equipamento digital — video-estroboscópio — que faz a investigação com o uso de um endoscópio, que contém uma câmera acoplada e é introduzido pela boca.


Esse aparelho emite uma luz pulsada (luz estroboscópica) a intervalos pré-estabelecidos, de acordo com a voz do paciente. Assim, permite a visualização da movimentação sequencial da onda mucosa das cordas vocais como se elas estivessem em câmera lenta.


O procedimento permite avaliar a frequência de voz, a periodicidade de vibração das cordas vocais, bem como seu movimento de abertura e fechamento, que, por conta de sua velocidade, é impossível de ser visto a olho nu. Dessa maneira, o médico pode avaliar se há alguma anormalidade nessas estruturas e em suas funções.


As imagens obtidas com esse exame ficam gravadas, um recurso importante para acompanhar a evolução do tratamento. 


Vantagens da estroboscopia


Esse exame proporciona um diagnóstico mais preciso e permite observar detalhes sutis de movimento e vibração das cordas vocais, além de alterações mínimas em sua estrutura, como sulcos ou fibroses.


Assim, torna-se possível o diagnóstico de diferentes anormalidades e patologias nas pregas vocais, desde lesões superficiais até tumores.


Como o exame é feito


A estroboscopia é feita no próprio consultório do otorrinolaringologista e não exige nenhum preparo especial. A recomendação (não obrigatória) é somente que o paciente fique em jejum por duas horas.


O paciente fica sentado e o médico introduz o endoscópio rígido pela boca, posicionando-o atrás da língua. É colocado também um aparelho no contato com o pescoço( sensor de frequência ). O médico solicita que o examinado emita alguns sons e faça alguns movimentos na laringe.


O procedimento é indolor, no entanto se o paciente ficar muito desconfortável ou tiver muita sensibilidade ao toque na garganta, como em casos de refluxo nauseante, o médico aplica um spray anestésico.


O exame é realizado de forma rápida — dura de 2 a 3 minutos. Para quem já realizou o procedimento, é importante levar os exames anteriores para avaliação médica.


Após a realização da estroboscopia não é necessário nenhum cuidado específico e o paciente pode retornar às atividades normalmente.


Quando esse exame deve ser feito?


Principalmente para as pessoas que utilizam a voz como instrumento de trabalho, qualquer alteração nas cordas vocais, mesmo que uma simples rouquidão, não pode ser ignorada para evitar problemas graves e contratempos no dia a dia profissional.


Na consulta com o otorrinolaringologista será investigado qualquer tipo de queixa na voz e, para isso, ele faz o exame de estroboscopia. O procedimento é importante para o diagnóstico e prevenção de lesões e patologias, mas também para o acompanhamento da evolução do tratamento nas pregas vocais, como fonoterapia ou cirurgias.


Qual a importância das consultas preventivas para a saúde da voz?


Os profissionais que fazem uso intenso da voz precisam cuidar da saúde vocal. Para isso, é fundamental que eles realizem consultas preventivas pelo menos duas vezes ao ano com o otorrinolaringologista. A terapia com um fonoaudiólogo também é bem-vinda.


Esse acompanhamento regular com esses especialistas vai prevenir que simples alterações funcionais na voz se transformem em lesões sérias nas cordas vocais. Uma leve rouquidão persistente pode ser facilmente tratada com a orientação desses profissionais e algumas mudanças de hábito.


Entretanto, quando o paciente apresenta esse sintoma e não procura ajuda médica, pode gerar uma alteração orgânica que só é resolvida, em muitos casos, com intervenção cirúrgica.


Se você é um profissional que precisa da voz para exercer o seu ofício, coloque na sua agenda o check-up com o otorrinolaringologista. Ele fará os exames necessários para avaliar a saúde da sua laringe e orientará quanto aos bons hábitos de saúde vocal. 


Escolha uma clínica de otorrinolaringologia completa, com equipamentos tecnológicos para que seja possível realizar exames importantes, como a estroboscopia, e outros atendimentos, como a terapia de voz.


Você conhecia o exame de estroboscopia, que faz a investigação detalhada das estruturas e funcionamento das cordas vocais? Saiba que esse procedimento deve ser realizado sempre que houver qualquer alteração persistente da voz ou alguma outra queixa envolvendo a laringe. Por isso, esse exame é tão importante para as pessoas que fazem uso intenso da voz na rotina profissional.


Ficou interessado nesse exame e gostaria de obter mais esclarecimentos sobre o procedimento? Entre em contato com a equipe de especialistas da Otorrino DF e receba todas as orientações!


Agende sua avaliação (61) 3542-2803.

0 visualização

 ASA SUL 

Endereço:

709/909. Centro Médico Julio Adnet - SEPS SEP Sul, Sia Lt A - Clínica 2, Subsolo - CEP: 70390-095

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 ASA NORTE 

Endereço:

Ed. Cléo Octávio - Em frente HRAN. Setor Médico Hospitalar Norte - CEP: 70710-100

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 TAGUATINGA 

Endereço:

Ed. Pátio Capital QS 3. - Pistão Sul. / Térreo
CEP: 71953-000

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

Sobre a Otorrino DF

Consultas médicas, exames e cirurgias para pacientes com necessidades relacionadas ao ouvido, nariz e garganta.
Será um prazer receber você aqui em nossa clínica! 

Nossos Médicos

Os profissionais da clínica Otorrino DF buscam atualizações constantes em suas especialidades visando oferecer atendimento personalizado e humanizado a seus pacientes.

  • Instagram - Otorrino DF
  • YouTube - Otorrino DF
  • LinkedIn - Otorrino DF
  • Facebook - Otorrino DF
  • Twitter OtorrinoDF
bg otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
nariz otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
Clínica Otorrino DF © Todos os direitos Reservados