Criança doente: saiba como lidar com as infecções na volta às aulas!


Início do ano costuma ser complicado. Além das contas de final de ano, a preocupação com os próximos meses começa a tomar forma — é necessário traçar uma estratégia para manter as finanças em dia, decidir uma escola para as crianças e atualizar o plano de saúde.


Nenhum desses fatores chega perto da apreensão que é o início das aulas, principalmente para as crianças pequenas. Para os pais, tal período representa a época de maior risco de infecções e de ter uma criança doente em casa. Os resfriados parecem intermináveis — mas são apenas vírus contraídos um após o outro, sem dar folga para os responsáveis recuperarem as energias.


Às vezes, é difícil aceitar que a culpa não é da escola ou da creche. É praticamente impossível impedir que seu filho contraia algum vírus ou bactéria, mas você pode amenizar os sintomas adotando medidas preventivas e sabendo a quem recorrer em uma situação extrema. Continue a leitura e saiba como lidar com a fragilidade das crianças!


Entenda a vulnerabilidade infantil


A propensão das crianças às doenças é explicada pela imaturidade do sistema imunológico.

Até o sexto mês, o bebê constrói sua proteção por meio dos anticorpos passados pela mãe durante a amamentação — somente após esse período seu sistema imunológico começa a produzir a própria defesa em resposta à exposição de doenças.


O processo é muito lento e, por esse motivo, consideramos aceitável que uma criança de até 3 anos tenha aproximadamente 12 infecções por ano, mesmo que ela ainda não esteja matriculada em uma escola. Se estiver, o número pode até dobrar!


Sabendo que a maioria das doenças é causada por vírus, cuja forma de transmissão é extremamente contagiosa, o contato de uma criança doente com outra ocasiona o compartilhamento de muitas infecções. O comportamento infantil, que faz as crianças descobrirem o mundo levando a mão e muitos objeto à boca, aumenta o risco de contágio.


Além disso, irmãos mais velhos contraem mais doenças e apresentam sintomas mais graves que irmãos mais novos. O primogênito é exposto a uma infinidade de vírus no ambiente escolar, enquanto o mais novo sofre com a exposição indireta. Por esse motivo, famílias maiores costumam apresentar mais de uma criança doente. 


Conheça as principais doenças que afetam as crianças


Rinite


A rinite é uma inflamação das mucosas nasais. Ela pode se manifestar de duas formas diferentes: a rinite alérgica e a não alérgica (ou resfriado).


A primeira é uma reação que gera espirros e coceira, geralmente causada por pólen e pelos de animais ou pelúcias. Não causa febre e os sintomas geralmente persistem por mais de um mês. Os remédios utilizados no tratamento servem apenas para conter os sintomas. 


Já o resfriado é causado por um vírus que afeta as vias respiratórias. Existem pelo menos 200 tipos de vírus diferentes e a criança doente pode apresentar tosse, nariz entupido, espirros, coriza ou mesmo febre baixa. 


Por se tratar de um vírus, não há antibiótico. O tratamento inclui beber muito líquido, descanso e boa alimentação. 


Otite


A otite é uma inflamação do ouvido que se expressa nas camadas internas ou externas. Pode ser causada por vírus ou bactérias, sendo a última forma tratada com antibióticos.


A criança doente apresenta dor de ouvido, febre, vômitos e, em casos mais graves, pode ocorrer o vazamento de pus pela cavidade. 


Doença de Mão, Pé e Boca


A “Síndrome Mão-Pé-Boca” é mais uma doença veiculada por vírus. Causa feridas na boca, nas mãos e nos pés e é transmitida facilmente por saliva. A criança contaminada apresentará febre, dor de garganta, irritabilidade e perda de apetite. Resolve-se em curto prazo, durando apenas alguns dias ou poucas semanas. 


Saiba como ocorre a prevenção


O sistema imunológico tem seu próprio tempo para amadurecer, mas é possível melhorar as condições do ambiente em que a criança está.


Para a escola, é complicado higienizar todos os pertences do aluno a cada uso e ainda impedir o compartilhamento — já que crianças pequenas pegam copos, chupetas e mamadeiras uns dos outros. 


No entanto, investigue o sistema de ventilação e renovação do ar da escola. O uso contínuo de ar condicionado pode manter os vírus e as bactérias circulando infinitas vezes por um mesmo ambiente, aumentando assim as chances de contágio. 


Priorize escolas com poucos alunos por sala. Isso aumentará o controle dos professores no cuidado das crianças e melhorará as condições de higiene do local.


Contudo, entenda que, mesmo assim, seu filho poderá retornar doente para casa. 


Evite que a sua sua criança durma tarde. Caso ela já coma, providencie uma boa alimentação, digo saudável. Cuide também da saúde mental do pequeno. Leve-o para brincar ao ar livre e divirta-se junto com ele. Mesmo com o sistema imune incompleto, é importante manter as poucas defesas de seu filho funcionando bem!


Por fim, mantenha as crianças vacinadas. As vacinas são formadas por partes de microrganismos e fornecem imunização adquirida. Assim, você não protegerá apenas o seu filho — imunizando-o, você também diminui a chance de outras crianças adoecerem. 


Veja como e quando buscar ajuda


Alguns sintomas se apresentam de forma muito agressiva. A febre é o mecanismo térmico que reduz a atividade dos patógenos, mas quando atinge a marca de 37,8ºC, é necessário dar um remédio à criança. Muitas vezes nas primeiras 48 horas do estado febril (entre 37 e 38 graus) os médicos costumam apenas observar e usar sintomáticos, até aparecer o foco da doença. Não se desesperem, é rotina!


Se a temperatura aumentar muito, pode ocorrer uma convulsão. Além disso, a febre extremamente alta também pode ser um indicativo para uma patologia mais séria. 


Doenças relacionadas ao trato respiratório (nariz e garganta) e ao sistema auditivo são melhor tratadas por otorrinolaringologistas. Vale lembrar que muitos problemas podem estar interligados: uma otite recorrente pode indicar problemas na adenoide, sendo necessária uma ação cirúrgica para melhorar a qualidade de vida da criança. Um tratamento correto também impede uma possível resistência bacteriana pelo excesso de antibióticos.


As mães sempre se questionam quando não devem levar a criança para escola.  Febre, lesões de pele, as primeiras 48 horas do uso de antibióticos, quando prescrito, e as orientações do médico assistente são os fatores mais importantes para a decisão. Lembramos que as doenças de transmissão por contato direto tem um período de contágio, e seu médico deverá sempre orientar quando esse período já passou e quando a criança poderá retornar as atividades normais. 


As crianças adoecem muito na fase escolar, algo normal para a idade em que estão. Dessa forma, os pais devem se atentar a qualquer anormalidade e sempre manter a criança doente em casa. Levando-a para a escola, ela pode ser atacada por uma doença oportunista ou infectar outras crianças. Repouso é muito importante para total recuperação dessas doenças da primeira infância. 


Gostou do nosso artigo? Aproveite o período de volta às aulas e compartilhe esta postagem! Assim, você poderá ajudar outros pais e responsáveis.

42 visualizações

 ASA SUL 

Endereço:

709/909. Centro Médico Julio Adnet - SEPS SEP Sul, Sia Lt A - Clínica 2, Subsolo - CEP: 70390-095

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 ASA NORTE 

Endereço:

Ed. Cléo Octávio - Em frente HRAN. Setor Médico Hospitalar Norte - CEP: 70710-100

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 TAGUATINGA 

Endereço:

Ed. Pátio Capital QS 3. - Pistão Sul. / Térreo
CEP: 71953-000

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

Sobre a Otorrino DF

Consultas médicas, exames e cirurgias para pacientes com necessidades relacionadas ao ouvido, nariz e garganta.
Será um prazer receber você aqui em nossa clínica! 

Nossos Médicos

Os profissionais da clínica Otorrino DF buscam atualizações constantes em suas especialidades visando oferecer atendimento personalizado e humanizado a seus pacientes.

  • Instagram - Otorrino DF
  • YouTube - Otorrino DF
  • LinkedIn - Otorrino DF
  • Facebook - Otorrino DF
  • Twitter OtorrinoDF
bg otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
nariz otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
Clínica Otorrino DF © Todos os direitos Reservados