Doença do refluxo: tudo o que você precisa saber


Sinais como azia, rouquidão, tosse seca e até mesmo problemas dentários podem indicar doença do refluxo gastroesofágico. É uma patologia que pode se apresentar de diferentes formas, o que confunde bastante o paciente na hora de procurar ajuda médica.


O quadro pode ser bastante incômodo e exige, além do tratamento adequado, mudanças no estilo de vida e alimentação. Quer entender melhor o que caracteriza a doença do refluxo, quais os sintomas e fatores de risco, bem como o tratamento e formas de prevenção? Acompanhe nosso post e tire todas as suas dúvidas!


O que é doença do refluxo?


A doença do refluxo gastroesofágico ocorre quando os ácidos do estômago voltam para o esôfago, ou seja, não seguem o caminho normal da digestão. O refluxo ocasional é uma situação normal para qualquer pessoa, porém se torna uma doença quando ocorre de forma crônica.


Isso ocorre porque uma estrutura muscular — chamada de esfíncter funcional — que se situa entre o esôfago e estômago não funciona direito, relaxa ou fica fraca e, assim, permite a passagem dos ácidos.


O quadro passa a irritar os tecidos do esôfago e até mesmo a garganta, o que causa muito incômodo no dia a dia. Quando atinge a laringe e faringe recebe o nome de refluxo faringo-laríngeo.


Crianças


Muitos bebês, nos primeiros meses de vida, podem apresentar refluxo. É uma condição normal porque os tecidos entre o esôfago e estômago não estão totalmente formados, o que se soma ao fato de os pequenos passarem a maior parte do tempo deitados.


Com o crescimento da criança, que começa a ficar sentada, junto com a mudança da alimentação, de líquida para sólida, o refluxo tende a desaparecer.


Quais os fatores de risco para esse quadro?


Acompanhe abaixo alguns fatores de risco para a doença do refluxo:

  • hérnia de hiato: condição na qual uma parte do estômago se projeta para cima do diafragma;

  • gravidez: o bebê pode pressionar o esfíncter esofágico;

  • obesidade: também pode haver pressão sobre o esfíncter esofágico;

  • alimentação: refeições volumosas, com alimentos muito ácidos ou que contêm cafeína podem contribuir para o quadro;

  • deitar-se logo após as refeições;

  • cigarro: o fumo pode atrapalhar os reflexos musculares, bem como aumentar a produção de ácido no estômago;

  • uso excessivo de bebidas alcoólicas: o álcool pode prejudicar a mucosa do esôfago e estômago.


Quais os principais sintomas?


A doença do refluxo pode se manifestar de maneiras variadas:

  • azia;

  • náusea;

  • dor no peito;

  • mau hálito;

  • erosão dentária: desgaste do esmalte do dente causado pelos ácidos estomacais que voltam para a boca;

  • gosto ruim na boca;

  • dor de garganta;

  • tosse seca persistente;

  • rouquidão;

  • sensação de bolo na garganta;

  • laringite;

  • inchaço na garganta;

  • dificuldade para engolir;

  • pigarro;

  • asma, bronquite ou pneumonia, caso o refluxo seja aspirado.


Qual a relação entre refluxo e otorrinolaringologia?


Muitos dos sintomas que citamos acima são relativos à faringe e laringe, por isso não podem ser ignorados. Muitas vezes, as pessoas não dão atenção a uma rouquidão prolongada ou tosse seca e acabam convivendo com o problema.


A volta dos ácidos da digestão para a garganta pode provocar lesões nas mucosas e ser responsável por alguns sintomas, como um problema na voz ou, até mesmo, dificuldade para engolir.


Saiba que é fundamental procurar, em primeiro lugar, o otorrinolaringologista, que avaliará o paciente e fará exames como a videolaringoscopia para analisar as estruturas da faringe e laringe.


Se o distúrbio na voz for uma indicação sugestiva de doença do refluxo, o profissional faz o encaminhamento para o médico gastroenterologista, que vai examinar esôfago e estômago e fechar o diagnóstico. Para isso, alguns exames podem ser recomendados, como a endoscopia digestiva alta e phmetria, método que mede o ph do trato digestivo, com atenção especial a uma bactéria que habita o estômago( H. Pylori ) .


Como é o tratamento?


Após o diagnóstico, a doença do refluxo pode ser tratada de 3 maneiras:


Tratamento clínico


O médico vai prescrever medicamentos para reduzir a acidez estomacal e melhorar a motilidade do esôfago, o que vai amenizar muitos sintomas. É importante salientar que somente o profissional de saúde, após a avaliação do paciente, poderá prescrever os remédios adequados para cada caso. A automedicação pode ser perigosa e até piorar a condição.


Além dos medicamentos, o especialista vai orientar quanto as mudanças no estilo de vida, que incluem:

  • perda de peso: muitos pacientes obesos, após o emagrecimento, deixam de sofrer com a doença;

  • reeducação alimentar: é importante evitar alguns alimentos e bebidas que contribuem para o quadro, além de fracionar as refeições, ou seja, não consumir grandes quantidade de uma só vez;

  • abandono do hábito de deitar-se após as refeições;

  • prática de atividade física.


Tratamento cirúrgico


Caso o paciente não melhore com medicamentos e mudanças nos hábitos ou ainda se a doença do refluxo for decorrente de alguma anormalidade (como a hérnia de hiato), o recomendado é a cirurgia.


O médico faz uma dobra no esôfago, como se construísse uma válvula, para que a passagem entre esse órgão e o estômago seja a mais normal possível. A cirurgia pode ser convencional, com um corte na barriga ou via laparoscopia, em que o médico faz  pequenos furos e se orienta com uma microcâmera.


Tratamento endoscópico


Por meio da endoscopia, alguns casos de doença de refluxo podem ser tratados. É um tratamento novo, em que o médico pode inserir pequenos implantes para evitar a passagem dos ácidos estomacais para o esôfago.


Como se prevenir do problema?


Com pequenas mudanças de hábito, é possível prevenir a doença do refluxo. Veja algumas medidas:

  • adotar uma dieta saudável;

  • comer em pequenas porções;

  • comer devagar;

  • mastigar bem os alimentos;

  • moderar o consumo de alimentos que podem contribuir para o refluxo, como café, chá-mate, chocolate, derivados de leite, refrigerante, sucos cítricos ou de pratos muito picantes ou gordurosos;

  • evitar álcool e cigarro;

  • não se deitar logo após as refeições;

  • elevar um pouco a cabeçeira da cama na hora de dormir.


A doença do refluxo gastroesofágico causa muitos incômodos no dia a dia e, caso não tratada, pode evoluir para patologias mais sérias como problemas respiratórios, úlceras e até câncer no esôfago. Por isso, fique atento aos sintomas.


Se quiser entender um pouco mais sobre a relação do refluxo com os sintomas otorrinolaringológicos, entre em contato com a clínica Otorrino DF e receba todos os esclarecimentos!


Marque sua consulta!

0 visualização

 ASA SUL 

Endereço:

709/909. Centro Médico Julio Adnet - SEPS SEP Sul, Sia Lt A - Clínica 2, Subsolo - CEP: 70390-095

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 ASA NORTE 

Endereço:

Ed. Cléo Octávio - Em frente HRAN. Setor Médico Hospitalar Norte - CEP: 70710-100

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

 TAGUATINGA 

Endereço:

Ed. Pátio Capital QS 3. - Pistão Sul. / Térreo
CEP: 71953-000

Navegue Até Nós

#maps_padrão_1.png
waze_02.png
Uber_100x100.png

Sobre a Otorrino DF

Consultas médicas, exames e cirurgias para pacientes com necessidades relacionadas ao ouvido, nariz e garganta.
Será um prazer receber você aqui em nossa clínica! 

Nossos Médicos

Os profissionais da clínica Otorrino DF buscam atualizações constantes em suas especialidades visando oferecer atendimento personalizado e humanizado a seus pacientes.

  • Instagram - Otorrino DF
  • YouTube - Otorrino DF
  • LinkedIn - Otorrino DF
  • Facebook - Otorrino DF
  • Twitter OtorrinoDF
bg otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
nariz otorrino pediatra df emergencia criança otorrinolaringologia asa sul asa norte brasilia distrito federal lago sul lago norte urgente ouvido nariz garganta adulto
Clínica Otorrino DF © Todos os direitos Reservados